Tipos de Anticoncepcional

Veja abaixo as melhores opções de anticoncepcionais e consulte seu ginecologista para escolher qual é a alternativa ideal para você.

Pílula anticoncepcional

A pílula é considerada um dos métodos mais eficazes, com garantia de quase 99%. Deve-se ingerir um comprimido por dia durante o período de 21 dias seguidos, ou seja, três semanas. Na última semana a mulher não deve tomar o comprimido, pois será o período no qual ela terá a menstruação.

Pílula de progesterona

Indicado para mulheres que apresentam tolerância ao estrogênio, funcionando como uma alternativa à pílula convencional. O medicamento deixa o fluxo menstrual em suspensão, mas pode provocar o efeito colateral de retenção de líquidos.

Dispositivo Intrauterino (DIU) com progesterona

Esse método alivia as sensações de cólica e tem validade de cinco anos, sendo necessária a troca após esse período. Recomendado principalmente para mulheres com sangramento menstrual excessivo ou endometriose. O DIU de cobre possui duração maior, de três a dez anos, mas não é indicado em casos de fluxo intenso.

Injeção mensal/trimestral

A aplicação de injeção possui dois métodos: o mensal, recomendado para pacientes com náuseas e distúrbios intestinais ou gástricos; e o trimensal, para mulheres com problemas cardiovasculares. Cabe dizer que a injeção trimestral pode causar aumento de peso e causar complicações em uma futura gravidez, já que o retorno da fertilidade ocorre somente no nono mês posterior à última injeção.

Anel Vaginal

É inserido na vagina e mantido por três semanas para liberar os hormônios necessário, seguido de menstruação. Especialmente para mulheres que sofram de enxaqueca ou náuseas com o uso da pílula oral.

Implante subdérmico

Nesse processo a mulher tem uma inserção sob a pele para ação de progesterona. Possui validade de três anos e pode causar aumento de peso e acne. Boa solução para mulheres que estão amamentando.

Ligadura de Trompas

Método definitivo para evitar gravidez, uma vez que é um processo de esterilização. No processo as trompas são amarradas ou cortadas, impossibilitando assim o contato com espermatozoides. A laqueadura não altera níveis hormonais nem o ciclo menstrual, sendo também uma opção que reduz a possibilidade de câncer no ovário.

É importante lembrar, porém, que todos estes métodos não previnem o contágio de doenças sexuais, sendo importante o uso de preservativos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *